17
Mai
2016

A cada feriado prolongado tudo o que pensamos fazer é: viajar, descansar, comer bastante e curtir com os amigos e familiares. Só que nem sempre tudo sai como o planejado. Apesar da descontração, precisamos nos atentar a uma série de fatores de risco para que a viagem tão esperada não acabe em dor de cabeça. O Blog da Block Box juntou uma série de dicas que vão garantir que sua única preocupação seja escolher entre praia ou campo.


1. Celular atrapalha o motorista

É óbvio que ao ouvir o toque de chamada ou o som de notificação de mensagens, todo ser humano moderno sente o instinto de imediatamente verificar o smartphone. Porém quando a pessoa em questão é o motorista, as coisas devem ser diferentes. Atender o telefone pode desviar a atenção, e muitas vezes deixar uma das mãos ocupada, impossibilitando a troca de marchas, por exemplo. Na verdade, é um grande ato de irresponsabilidade. Segundo pesquisa, o uso de celular ao volante aumenta em 400% o risco de acidentes. Faça uma parada durante a viagem ou peça para que algum dos passageiros atenda.
Fonte: (http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2012/02/usodocelularaumentaemate400oriscod eacidentesnotransito.html)


2. Ajustar corretamente os retrovisores

A maioria das pessoas acredita que a maneira mais eficiente de regular o retrovisor é deixá-lo em um ângulo em que é possível visualizar também parte lateral do carro. Não há nada para verificar, você já sabe o que está acontecendo ali. O ideal é regular um ângulo maior e de ampla visão, para que os pontos cegos do motorista sejam quase nulos.


3. Adotar a distância de segurança entre veículos

Apesar de muitos motoristas serem imprudentes neste quesito, a distância de segurança ajuda em casos de emergência. É a garantia de que, em uma frenagem de emergência, os veículos não colidirão. Existe uma forma bem fácil, na verdade, de medir essa distância:
• Adote um ponto de referência na estrada, pode ser uma árvore, ou mesmo uma placa;
• Atente-se ao momento que o carro a frente ultrapassar o ponto;
• Logo após, conte dois segundos exatos. Você pode adotar uma frase pra fazer isso, como “Um passarinho, Dois passarinhos”;
• Caso você tenha ultrapassado o ponto de referência antes de terminar a frase, aumente a distância entre seu veículo e o da frente.


4. Cuidado com o farol alto

A utilização do farol alto é estritamente restrito a situações de falta de visibilidade total, onde a escuridão da pista impede a condução do motorista. Ainda assim, só é permitido usálo quando não houver veículos na direção contrária. O uso indevido do farol alto atrapalha a visão de outros condutores, e é uma das principais causas de acidentes nas estradas.


5. Ultrapassagem responsável

Na estrada, é importantíssimo saber fazer ultrapassagens de maneira responsável. O motorista deve seguir passos como : Sinalizar de forma correta com o uso das setas; Manter o farol baixo aceso mesmo durante o dia, para que os outros motoristas possam identificar seu veículo; Ultrapassar utilizando a marcha correta; Avaliar se a ultrapassagem é realmente necessária/possível; e, sobretudo, não cometer imprudências como jogar o carro para o acostamento para realizar a ultrapassagem.


6. Em caso de neblina

A neblina reduz o campo de visão do condutor, e impõe sérios riscos à sua direção. Em caso de neblina, há uma série de cuidados a serem tomados:
• Mantenha um ritmo constante de velocidade, não acelere ou freie bruscamente;
• Acenda o farol baixo, mesmo na luz do dia;
• Somente pare em locais seguros, tais como postos de gasolina e shoppings de estrada, nunca pare ao acostamento;
• Evite ultrapassagens, e utilize o piscaalerta sempre que for necessário mudar de faixa;
• Fique atento à sinais sonoros, tais como buzinas ou sons de colisão;
• Caso a visibilidade estiver completamente comprometida, oriente-se pelas faixas de sinalização da pista.


7. Cinto de segurança salva vidas

Apesar de ser um assunto bem recorrente em noticiários e cartilhas de segurança, o uso do cinto de segurança continua sendo um método de proteção menosprezado por boa parte dos motoristas. A falta do cinto é, atualmente, a terceira maior causa de acidentes nas estradas brasileiras, perdendo apenas para ultrapassagens em locais proibidos e excesso de velocidade. Mesmo que a falta do cinto seja punível por lei, a maioria das pessoas deixa de usálo nos bancos traseiros do carro ou em ônibus de viagem. Também há aqueles que não o usam no banco dianteiro. A prática irresponsável é responsável por acidentes letais, onde os passageiros são, muitas vezes, arremessados para fora do veículo.

Assista ao vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=d7iYZPp2zYY

Fonte: (http://g1.globo.com/jornalhoje/noticia/2013/01/faltadecintodesegurancaeterceiramaiorcausadeacidentes.html)